Facebook Twitter RSS Google Plus

Fotos da Guerra das Malvinas

Guerra das Malvinas

A Reconquista Argentina das Malvinas
Em 2012, a Guerra das Malvinas completa 30 anos. No dia 2 de Abril de 1982, os Argentinos desembarcaram nas Ilhas Malvinas que, desde 1833, eram ocupadas pelos Britânicos. Os Argentinos renderam o governador da ilha, Rex Hunt, e alguns poucos soldados Britânicos que faziam a segurança da ilha.
Foto: BBC/Paralibros.com

Guerra das Malvinas
Port Stanley

Ocupação de Port Stanley
Fuzileiros navais Argentinos do 2º batalhão blindado de fuzileiros em frente à Sede do Governo das Malvinas logo após a captura e ocupação da capital Port Stanley (ou como a chamam os Argentinos, Puerto Argentino) em 2 de Abril de 1982.
Foto: Imperial War Museum (IWM)

Port Stanley
Disputa Colonial

Disputa Colonial
Para os Argentinos, a posse das Ilhas Malvinas - que os Britânicos chamam de Falklands - era uma questão de soberania e orgulho nacional. A Argentina reclama que as Malvinas fazem parte dos territórios colonizados pela Espanha os quais ela passou a ter direito após sua independência.
Foto: BBC

Disputa Colonial
Navios britânicos em direção às Ilhas Malvinas

A Reação Britânica
Para surpresa dos Argentinos, o governo Britânico, liderado por Margaret Thatcher, proclamou que estava preparado para retomar a posse da ilha e enviaria uma força tarefa de guerra para as Ilhas Malvinas.
Foto: BBC

Navios britânicos em direção às Ilhas Malvinas
Navios britânicos se preparam para a Guerra das Malvinas

Destino: Atlântico Sul
No dia 5 de Abril os primeiros dos mais de 100 navios se preparavam para zarpar rumo ao Atlântico Sul levando 27.000 homens. Os britânicos deram de ombros à decisão do Conselho de Segurança da ONU, proposta pelo Secretário de Estado Americano Alexander Haig, que buscava uma solução diplomática para o conflito.
Foto: BBC

Navios britânicos se preparam para a Guerra das Malvinas
Zona de exclusão nas Malvinas

Zona de Exclusão nas Malvinas
No dia 7 de Abril os Britânicos estabeleceram uma zona de exclusão militar de 200 milhas náuticas em volta das Malvinas - ela entrou em vigor no dia 12 de Abril. Para não perder o fio da meada, os Britânicos reconquistaram a pequena ilha Geógia do Sul e hastearam a bandeira do Reino Unido no dia 25 de Abril.
Foto: BBC/PA

Zona de exclusão nas Malvinas
Afundamento do General Belgrano

Afundamento do General Belgrano
A força-tarefa Britânica dependia de seus dois porta-aviões. Com esse pensamento, a primeira-ministra Margaret Thatcher deu a polêmica permissão para que o submarino nuclear HMS Conqueror afundasse o cruzador Argentino General Belgrano, resultando na morte de 368 tripulantes.
Foto: BBC/AP

Afundamento do General Belgrano
Afundamento do HMS Sheffield

Afundamento do HMS Sheffield
A Marinha Real Britânica logo sofreria suas primeiras baixas quando 22 homens morreram no HMS Sheffield. O destróier foi atingido por um míssil Exocet que, apesar de não ter explodido, deixou um rombo na lateral do navio.
Foto: BBC/PA

Afundamento do HMS Sheffield
Britânicos desembarcam em San Carlos, Malvina Oriental

Desembarque em San Carlos
No dia 20 de Maio, várias tentativas de resolução pacífica do conflito na ONU falharam. Em 24 horas, as forças especiais do Reino Unido e os fuzileiros navais chegam à costa e estabelecem uma cabeça de praia em San Carlos, Malvina Oriental. As aterrissagens noturnas - realizadas durante uma forte ventania - foram consideradas um elemento surpresa.
Foto: BBC/PA

Britânicos desembarcam em San Carlos, Malvina Oriental
Aviões Argentinos afundam navios Britânicos

Ofensiva Aérea dos Argentinos
Os ataques aéreos Argentinos causaram grandes estragos: os navios HMS Ardent, Antelope e Coventry foram todos afundados. O Atlantic Conveyor também afundou levando consigo para o fundo do mar Malvinense seu carregamento: os helicópteros Chinook e equipamentos essenciais para reconquistar as ilhas.
Foto: BBC/PA

Aviões Argentinos afundam navios Britânicos
Batalha de Goose Green

Batalha de Goose Green
Sem os helicópteros cargueiros, os Britânicos tiveram de cumprir seu principal objetivo a pé: chegar ao povoado de Goose Green. O Tenente-Coronel H. Jones liderou o 2º Batalhão Regimento de Paraquedismo à vitória, porém foi morto durante a incursão. Mais tarde ele seria condecorado postumamente com a Cruz Vitória.
Foto: BBC/Getty Images

Batalha de Goose Green
Britânicos se preparam para conquistar Port Stanley

A Conquista de Goose Green
A batalha de Goose Green custou a vida de quase 250 soldados Argentinos e 18 Britânicos, além de muitos feridos e mais de 1.000 Argentinos capturados. Naquele momento, as forças Britânicas começariam os preparativos para conquistar Port Stanley, a capital das Malvinas.
Foto: BBC

Britânicos se preparam para conquistar Port Stanley
Aviões argentinos atingem os navios Sir Galahad e Sir Tristram

O Ataque aos Navios Sir Galahad e Sir Tristram
No dia 8 de Junho, cinco aviões Argentinos atingem dois navios logísticos Britânicos, Sir Galahad e Sir Tristram, em Fitzroy. Cerca de 200 homens, muitos deles da Guarda Real Britânica, foram mortos ou feridos por causa da enorme quantidade de explosivos que havia a bordo dos navios.
Foto: BBC/PA

Aviões argentinos atingem os navios Sir Galahad e Sir Tristram
Britânicos conquistam Port Stanley

A Conquista de Port Stanley
Nos dias seguintes, as forças Britânicas tomaram posições defensivas estratégicas ao redor de Port Stanley, e logo atingiram os cumes do Monte Tumbledown e Wireless Ridge. Com Port Stanley cercada, os Argentinos se renderam no dia 14 de Junho.
Foto: Divulgação

Britânicos conquistam Port Stanley
Rendição dos Argentinos

A Rendição dos Argentinos
Embora a Argentina tenha demonstrado alguma resistência mais veemente, a escassez de alimentos e roupas, bem como as insubordinações entre alguns soldados e seus superiores abalaram o ânimo dos combatentes Argentinos. Os Britânicos tomaram 10.000 prisioneiros de guerra.
Foto: BBC/PA

Rendição dos Argentinos
Porta-aviões HMS Hermes voltando à Inglaterra

Fim da Guerra e o Retorno à Inglaterra
As hostilidades cessaram oficialmente no dia 20 de Junho de 1982. Quando a força-tarefa voltou para Portsmouth, na Inglaterra, o conflito contabilizava 913 perdas humanas - 655 Argentinos, 255 Britânicos e 3 civis Malvinenses.
Foto: BBC/Cyber Heritage

Porta-aviões HMS Hermes voltando à Inglaterra
Funeral de Britânicos nas Ilhas Malvinas

Funerais Improvisados nas Malvinas
Um dos muitos funerais de soldados Britânicos que aconteceram durante o conflito.
Foto: IWM

Funeral de Britânicos nas Ilhas Malvinas
Tenente Alfredo Astiz assina o Instrumento de Rendição da Guerra das Malvinas

Instrumento de Rendição
A bordo da fragata HMS Plymouth, o Tenente Alfredo Astiz assina o Instrumento de Rendição em nome das forças Argentinas em Lieth, Geórgia do Sul.
Foto: IWM

Tenente Alfredo Astiz assina o Instrumento de Rendição da Guerra das Malvinas
Fuzis argentinos

Armas em Silêncio
Após a rendição dos Argentinos, os fuzis são empilhados ao lado da estrada que dá acesso ao aeródromo de Port Stanley.
Foto: IWM

Fuzis argentinos
Prisioneiros de guerra Argentinos

Prisioneiros de Guerra
Prisioneiros de guerra Argentinos sob guarda em Port Stanley.
Foto: IWM

Prisioneiros de guerra Argentinos
História
Notícias
Fotogalerias
1-4 de 12